top of page
  • Braga & Garbelotti

STJ: Incidência da Contribuição Previdenciária sobre PLR de diretores não empregados

Renata Dias Muricy


Em sessão de julgamento finalizada no dia 7 de novembro passado, a 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) analisou um tema de grande impacto para os bancos e grandes empresas: a incidência de contribuição previdenciária sobre as verbas pagas a título de Participação nos Lucros e Resultados (PLR) a diretores não empregados ou administradores estatutários.


A matéria é controversa e, no âmbito do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), o cenário tem sido desfavorável aos contribuintes¹.


De fato, o parágrafo 9º, do artigo 28, da Lei 8.212/1991, estabelece que nãointegra o salário-de-contribuição a participação nos lucros ou resultados da empresa, quando paga ou creditada de acordo com lei específica.


Por sua vez, nos termos do voto proferido pelo Ministro Relator Sérgio Kukina, a norma de isenção - que regulamenta a participação dos trabalhadores nos lucros ou resultados da empresa - representada pela Lei 10.101/2000, não se aplica aos administradores não empregados.


Isso porque, ainda segundo entendimento do Ministro, os administradores não empregados/diretores estatutários são enquadrados como “contribuintes individuais” e, portanto, “não empregados”.


Desse modo, seria necessária legislação específica para afastar a incidência da contribuição previdenciária sobre PLR paga a diretores não empregados ou administradores estatutários.


Destaque-se que a decisão proferida pela 1ª Turma do STJ não tem efeito vinculante, sinaliza, no entanto, importante precedente favorável ao Fisco.


________________

¹Recentemente, a 2ª Turma da Câmara Superior do CARF alterou seu entendimento, até então favorável aos contribuintes, resolvendo pela manutenção da incidência de contribuição previdenciária sobre as verbas pagas a título de Participação nos Lucros e Resultados (PLR) a diretores não empregados, sob o fundamento de que os “diretores estatutários” não se incluem na categoria de “trabalhadores com vínculo de subordinação”, prevista no texto constitucional.

82 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page